Vereador do caso “Arco-íris” é presidente da comissão que vai julgar Campelo

156
Vereador Filipe Martins é o presidente da Comissão de Ética que vai julgar Lúcio Campelo

O vereador Filipe Martins (PSC) é o presidente da Comissão de Cidadania, Direitos Humanos, Meio Ambiente e Ética da Câmara Municipal de Palmas que vai julgar o processo disciplinar contra Lúcio Campelo que fez apologia à pedofilia durante sessão da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) que ocorreu na última terça-feira, 20.

Até então desconhecido de boa parte dos palmenses, Filipe Martins ganhou visibilidade nacional quando solicitou à Prefeitura de Palmas que vetasse o nome “Arco-íris” de um Creche da Capital por entender que ele fazia alusão ao universo homossexual. Filipe, que é filho do ex-deputado federal Pastor Amarildo, foi duramente criticado na época e teve que se explicar para a sociedade.

Além de Filipe Martins, integram a comissão os vereadores Diogo Fernandes (PSD), Junior Geo (Pros), Leo Barbosa (SD), Vandim do Povo (PSDC) e Moisemar Marinho (PDT) como suplente.

Lúcio Campelo será ouvido nesta quarta-feira, 28, para prestar esclarecimentos sobre sua declaração na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR).

Apoio a Lúcio Campelo

Em sessão ordinária realizada na quinta-feira, 22, pelo menos dois membros da Comissão de Ética da Câmara prestaram solidariedade a Lucio Campelo pela fala proferida em apologia à pedofilia, sendo eles o presidente da Comissão Filipe Martins e o vereador e deputado estadual eleito no pleito de outubro Júnior Geo.

“Eu conheço vossa excelência. Dos vereadores que estão aqui, eu tomo benção do senhor todos os dias aqui pela manhã. Nós somos políticos, a partir do momento que entramos no parlamento, nós viramos vidraça. Nós aqui conhecemos a idoneidade de vossa excelência. Estou junto com o senhor nessa luta”, disse Filipe Martins.

Já Júnior Geo resumiu a fala de Lúcio Campelo a uma “infeliz brincadeira”. “Eu reconheço que vossa excelência é um brincalhão, muitas vezes brinca além do limite, e sabemos que foi uma fala infeliz, mas sabemos [reconhecer] que não é a sua pessoa. O que foi dito por vossa senhoria (sic) não representa o que vossa senhoria (sic) é. Fico feliz por ter se retratado. O senhor é pai e reconhecemos que não passou de uma infeliz brincadeira”, discursou.

Medidas Disciplinares

Lúcio Campelo pode sofrer medidas disciplinares por quebra do decoro parlamentar. De acordo com o Código de Ética da Câmara Municipal de Palmas, o parlamentar pode ser punido com censura escrita; suspensão temporária do exercício do mandato; perda do mandato mediante declaração da Mesa Diretora; ou perda do mandato mediante decisão do Plenário.

Comentários no Facebook